Colunistas

Publicado: Quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Os Nanicos do Voto

Crédito: Internet Os Nanicos do Voto
Eleições podem ser perigosas: transformam gigantes em nanicos.

Se as pesquisas eleitorais foram as grandes derrotadas no pleito deste ano, por provarem sua pura e simples inutilidade, por outro lado inúmeras figurinhas carimbadas da política nacional foram reduzidas a um estado de nanismo eleitoral. De gigantes da popularidade passaram à categoria de anões das urnas, apequenados em importância perante o eleitorado.

Quando falamos de nanicos do voto não estamos nos referindo ao Guilherme Boulos, por exemplo. Este nunca foi nada eleitoralmente. Notoriamente conhecido por ser um incentivador de invasões a propriedades privadas, liderando uma espécie genérica de MST da selva de pedra, trata-se de mais um socialista de iPhone. Com essa pecha de terrorista e explorador de pobres, pois seus agentes cobravam “aluguel” dos que habitavam imóveis invadidos por sua quadrilha, tinha a grande pretensão de ser um herdeiro de Lula, uma versão mais jovem e moderna do presidente preso por corrupção e lavagem de dinheiro. Nem isso Boulos conseguiu. Ficou com menos de 1% dos votos, 0,58% pra ser preciso, com pouco mais de 617 mil eleitores, abaixo de muitos eleitos à Câmara Federal.

Quando falamos de nanicos do voto, não estamos nos referindo também aos iniciantes e aos folclóricos de sempre, como é o caso de Jango Filho, Vera e Eymael que, somados, chegaram a 0,12% dos votos. A presença deles mal foi notada no processo eleitoral, mas todos certamente beneficiaram-se das licenças e recursos oferecidos pela legislação, principalmente em relação ao famigerado Fundo Eleitoral.

Quando falamos de nanicos do voto, não estamos nos dirigindo a Álvaro Dias ou a João Amôedo. Fazendo suas estréias na corrida presidencial, o primeiro tem seu reduto muito limitado ao Paraná e o segundo não teve apelo retórico, carisma ou fatos gerados que o deixassem na crista da onda ou na boca do povo. Dias conseguiu 0,80% dos votos e Amôedo 2,50%. E olha que tá bom demais.

Quando falamos de nanicos do voto, falamos de Henrique Meirelles e os cerca de 50 milhões de reais gastos do próprio bolso durante a campanha, para conseguir pífios 1,20% dos votos. Referimo-nos também a Marina Silva, a Dona Nanica das urnas (referência à personagem anã do humorístico “A Praça é Nossa”), que ficou os últimos três anos deitada em sua Rede, obteve humilhante 1%, recebeu apenas 2,6% de votos no Acre, seu Estado natal e ainda corre o risco de ter o seu partido eliminado de vez pela cláusula de barreira, já que não atingiu nem quantidade de votos e nem deputados eleitos para legitimar representatividade. Quando falamos de nanicos do voto, falamos principalmente de Geraldo Alckmin e seus 4,76%, uma vergonha para um político com sua biografia, realizações e envergadura.

Enquanto os nanicos das urnas consolam-se mutuamente, quem está feliz e teve desempenho de gigante foi o inédito e excêntrico Cabo Daciolo que conseguiu, não se sabe muito bem como, 1,26% dos votos. Seu marketing de campanha foi passar três semanas orando num “monte”. Seus gastos totais não chegaram a mil reais. E suas aparições em debates foram sempre comentadas pela histrionice, mas ao fim e ao cabo (com o perdão do trocadilho) teve uma avaliação simpática por parte do eleitorado.

Eleições são sempre perigosas por causa disso: um Davi pode agigantar-se diante de Golias e um Golias pode apequenar-se diante de um Davi. Daí, aos nanicos do voto só resta a opção de ir embora cantando “Eu vou, eu vou, pra casa agora eu vou”, já que os eleitores não querem mais saber deles.

Comentários

Visão de Mundo

Salathiel de Souza

Salathiel de Souza

Jornalista, professor e teólogo, iniciou carreira em 1996. Membro da Academia Ituana de Letras, é seminarista na Diocese de Jundiaí (SP) e autor de "Simplício: Um Contador de Histórias - Vida e Obra de Francisco Flaviano de Almeida".

Arquivo